Bebeto, o Canhão da Serra

Bebeto, o Canhão da Serra

Em 1976, defendendo o Caxias – Foto (Arquivo pessoal do jogador)

Maior jogador da história do Gaúcho de Passo Fundo, maior goleador do Campeonato Gaúcho e ídolo de várias torcidas, Alberto Vilasboas dos Reis, o Bebeto, 1,76 de altura e 70 kg, começou a carreira no Pampeiro, de Soledade, sua cidade natal. Ali, foi campeão municipal e gaúcho amador. As boas atuações chamaram a atenção de Grêmio e Internacional, mas o pai de Bebeto queria que o filho primeiro terminasse os estudos no colégio para então seguir carreira.

Bebeto chegou a Passo Fundo em 1965, onde faria o curso de técnico de contador. Seus gols pelo time do Instituto Educacional chamaram a atenção do 14 de Julho, onde assinou como profissional em 1966. Nos primeiros quatro jogos, foram seis gols.

Pelo bom desempenho no Campeonato Gaúcho da 2ª Divisão foi contratado pelo principal rival do 14, o Gaúcho, onde faria história. Aos 21 anos, Bebeto estreava no Gauchão (era a primeira vez na era profissional que uma equipe de Passo Fundo participava do campeonato) contra o Aimoré. Fez um gol e o Gaúcho venceu por 2 a 1. Faria mais oito gols em 16 jogos. Empilhando gols, chegou a treinar no Corinthians em 1968, levado por Oswaldo Brandão, ex-jogador do Gaúcho na década de 30, e considerado um dos maiores treinadores da história do futebol brasileiro. Apesar de impressionar o técnico Aymoré Moreira, o empréstimo não deu certo. O clube não quis pagar as luvas prometidas. Ainda neste ano atendeu ao chamado do lendário técnico Osvaldo Rolla, o Foguinho, e foi para o Internacional, onde ficou três meses.

De volta ao Gaúcho, balançou as redes 13 vezes em 14 jogos no campeonato estadual de 1969. Em 1970 tentou a sorte no Grêmio. Fez testes com o técnico Carlos Froner e acabou acertando com o tricolor um empréstimo por dois anos. Outra vez foi pouco aproveitado. Froner foi embora, veio Otto Glória e Bebeto começou a ganhar chances. Em 1971 chegou a ser o artilheiro do Grêmio no Gauchão, com nove gols em 11 jogos. Até que o tricolor da capital sofreu a histórica derrota por 5-2 para o Esportivo de Bento Gonçalves, com Bebeto marcando um dos gols gremistas. Depois, foram apenas dois jogos sem marcar, mas o suficiente para ser sacado do time. Acabou emprestado de graça ao Bahia, onde foi campeão estadual, até voltar ao Gaúcho no final de 1971.

No Gauchão de 1972 começou arrasador: balançou a rede nos oito primeiros jogos, 11 gols no total. Foi nesta época que passou a ser conhecido como “Canhão da Serra”, apelidado por um jornalista de Passo Fundo. Em 1973, seus 13 gols garantiram pela primeira vez a artilharia do campeonato gaúcho. Bebeto também seria artilheiro da Copa Governador, com mais 13 gols.

Em 1975, foi a vez de repetir a dose como goleador do Gauchão. Bebeto e Tarciso do Grêmio marcaram 13 gols cada na fase final da competição. Bebeto ainda marcara outros nove gols na fase preliminar do Gauchão, não disputada pelo time da capital. Terminado o campeonato gaúcho de 1976, Bebeto foi emprestado por três meses para o Caxias a pedido do técnico Marco Eugênio.

Seria o grande reforço do time da serra que se preparava para estrear no campeonato brasileiro. Foi ídolo na serra, marcando 61 vezes entre 1976 e 1979, com 25 gols somente no Campeonato Brasileiro. Durante 20 anos, o Canhão da Serra foi o maior artilheiro da história do Caxias. Só foi superado por Washington, em 1998. Ao lado de Bebeto, um dos destaques do time grená era um amigo passo-fundense, o zagueiro Luiz Felipe Scolari.

Entre 1979 e 1981, passaria por Juventus (SP), Inter – SM (RS) e Toledo (PR), sempre intercalando períodos no alviverde passo-fundense. Ainda em 1981, resolveu encerrar a carreira de jogador e iniciar a de técnico, mas também assinou como jogador, caso precisasse entrar em campo em uma “emergência”. A volta aos gramados aconteceu em 1982. Ainda ajudaria o Gaúcho a ser campeão estadual da Segunda Divisão em 1984, seu único título oficial com o Gaúcho e o último como jogador. Costumava entrar em campo com o filho caçula Alberto como mascote do time. E para quem achava que aos 38 anos o Canhão estava velho, a resposta: 19 gols e a artilharia da competição. Incluindo um gol no jogo que garantiu o título, contra o São José de Porto Alegre no estádio Passo D’Areia.

A aposentadoria definitiva viria em 1985. Aos 39 anos, atuando no meio-campo, Bebeto marcou apenas uma vez em 16 jogos. O gol de número 263 pelo time que o consagrou. No dia 13 de dezembro de 1985, o Canhão da Serra pendurava as chuteiras em um amistoso entre o Gaúcho e um combinado formado por seus amigos.

O Canhão começava, então, sua carreira de treinador. A primeira equipe foi o São Luiz de Ijuí. Venceu a Segunda Divisão gaúcha com o Brasil de Farroupilha em 1992 e a Terceira com o Gaúcho em 2000. Ainda foi vice-campeão da Segundona em 1991, com o Guarani de Venâncio Aires, e em 1995, com o Palmeirense de Palmeira das Missões. Bebeto também comandou o Passo Fundo por sete vezes entre 1990 e 1998.

Ainda voltaria ao Gaúcho em 2002, quando precisou deixar o comando técnico para cuidar da saúde. Pouco mais de um ano depois, no dia 19 de setembro de 2003, Bebeto morria na Unidade de Tratamento Intensivo do Hospital Dom Vicente Scherer em Porto Alegre, depois de semanas de internação lutando contra os efeitos do segundo transplante de rim.

Ficha do Atleta

Bebeto, O Canhão da Serra Apelido: Bebeto
Nome: Alberto Vilasboas dos Reis
Data Nasc: 07/09/1946
Local Nasc: , Soledade, RSBrasil
Posição: Atacante
ID CBF: 37866
1966-1967 ger14dejulho 14 de Julho – PF (RS)
1967-1968 Gaúcho (Passo Fundo, RS) Gaúcho (RS)
1968 Corinthians (São Paulo, SP) Corinthians (SP)
1968 Internacional (Porto Alegre, RS) Internacional (RS)
1969 Gaúcho (Passo Fundo, RS) Gaúcho (RS)
1969 América (Rio de Janeiro, RJ) América (RJ)
1969 Gaúcho (Passo Fundo, RS) Gaúcho (RS)
1970-1971 Grêmio (Porto Alegre, RS) Grêmio (RS)
1971 Bahia (Salvador, BA) Bahia (PR)
1971 Grêmio (Porto Alegre, RS) Grêmio (RS)
1971-1976 Gaúcho (Passo Fundo, RS) Gaúcho (RS)
1976 Caxias (Caxias do Sul, RS) Caxias (RS)
1976-1977 Internacional (Porto Alegre, RS) Internacional (RS)
1977-1979 Caxias (Caxias do Sul, RS) Caxias (RS)
1979 Juventus (São Paulo, SP) Juventus (SP)
1980 Caxias (Caxias do Sul, RS) Caxias (RS)
1980-1981 Inter - SM Inter – SM (RS)
1981 Gaúcho (Passo Fundo, RS) Gaúcho (RS)
1981 Toledo (Toledo, PR) Toledo (PR)
1982 Gaúcho (Passo Fundo, RS) Gaúcho (RS)
1983 ger14dejulho 14 de Julho – PF (RS)
1984 Gaúcho (Passo Fundo, RS) Gaúcho (RS)
1985 ger14dejulho 14 de Julho – PF (RS)
1985 Gaúcho (Passo Fundo, RS) Gaúcho (RS)

Principais Títulos: Campeão Baiano (1971), Copa Atlântico Sul pela Seleção Gaúcha do Interior (1974) e Campeão Gaúcho da 2ª Divisão Gaúcha (1984).

Gols & Curiosidades:

* Não estão computados os gols marcados pelo Pampeiro de Soledade em 1964, no Campeonato Gaúcho Amador.

* Marcou 19 Gols pelo 14 de Julho, no Campeonato Gaúcho da 2ª Divisão de 1966

* Marcou 15 Gols na Copa Governador do Estado 1972, atuando pelo Gaúcho

* Marcou 13 gols no Gauchão 1973 e 13 gols pela Copa Governador do Estado, atuando pelo Gaúcho

* Em 1975, marcou 13 gols no Gauchão e 10 gols na Copa Governador, atuando pelo Gaúcho

* Marcou 19 gols na Segundona Gaúcha de 1984, atuando pelo 14 de Julho

* São 173 gols marcados no Campeonato Gaúcho da 1ª Divisão e 62 gols marcados no Campeonato Gaúcho da 2ª Divisão

* Em Campeonatos Brasileiros, marcou um total de 25

* Ao longo da carreira, em 5 oportunidades, marcou 4 gols no mesmo jogo. Em outros 17 jogos, marcou 3 vezes na mesma partida

* Em toda a carreira, anouto 399 gols, incluindo 263 pelo Gaúcho, 61 pelo Caxias e 45 pelo 14 de Julho

A carreira de Bebeto foi contada no livro “Bebeto – O Canhão da Serra”, do jornalista Lucas Scherer, lançado em 2010. Saiba mais acessando www.canhaodaserra.wordpress.com.

Agradeço ao amigo e colega pesquisador Lucas Scherer pela pesquisa e texto.

Bebeto , o Canhão da Serra

Em 1966, no início da carreira, com a camisa do 14 de Julho – Foto (Arquivo pessoal do jogador)

Bebeto, o Canhão da Serra

Em 1967, com a camisa do Gaúcho – Foto (Arquivo pessoal do jogador)

Bebeto, o Canhão da Serra

Em 1976, defendendo o Gaúcho e dividindo a jogada com Everaldo do Grêmio. Foto (Arquivo pessoal do jogador)

Bebeto - Divulgação-1

Capa do Livro Bebeto O Canhão da Serra, de Lucas Scherer (2010)

Bebeto - Divulgação-3

Confusão em Passo Fundo, trecho do Livro Bebeto o Canhão da Serra, de Lucas Scherer (2010)

Bebeto , o Canhão da Serra

Com a camisa do Gaúcho, ao todo foram 263 gols pela equipe de Passo Fundo – Foto (Arquivo pessoal do jogador)

Bebeto, o Canhão da Serra

Em 1978 , comemorando mais um gol com a camisa da SER Caxias. Foto (Arquivo pessoal do jogador)

Bebeto, o Canhão da Serra

Em 1970, defendendo o Grêmio – Foto (Arquivo pessoal do jogador)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: