Gauchão 1976 – 14 Gols para a História

A vitória de 14-0 do Internacional sobre o Ferro Carril em 1976, sem dúvida é um dos mais marcantes fatos do futebol gaúcho. O dia 23/05/1976 marcou a maior goleada da história do Campeonato Gaúcho. De um lado, o Internacional Campeão Brasileiro de 1975, que contava com Manga, Figueroa, Carpegiani, Valdomiro & Cia. Do outro lado o frágil Ferro Carril de Uruguaiana, que viajou 700 kilômetros certo de que não seria fácil segurar o colorado. Em campo o que se viu foi literamente um massacre, um jogo de gato e rato, onde o gordo goleiro Orlando pagou o pato e viou alvo de gozações metade pelo seu peso de 106 quilos e metade pelos 14 gols que levou. Sem apresentar nenhum esquema de jogo, trancado em seu próprio campo, o Ferro Carril ameaçou apenas uma vez o gol colorado, aos 15 minutos do segundo tempo em um lance ocasional, quando João Pedro recebeu livre, passou por Manga e com o gol vazio tocou por cima do travessão. Vale no entanto salientar a resignação da equipe do Ferro Carril, que aguentou firme toda a humilhação, sem ser violento, sem fazer anti-jogo, usando da maior paciência possível a pressão e o massacre colorado.

Tragédia Anunciada: Orlando deu entrevista falando da espectativa para o jogo contra o Internacional

INTERNACIONAL 14 0 FERRO CARRIL
Data: 23/05/1976 [Domingo], Hora: 15:30, Local: Beira-Rio (Porto Alegre, RS), Arbitragem: Nazareno Marques Pizon, com Adílson Amaro da Silveira e Verno Emílio Kerster, Renda: Cr$ 102130,00, Gols: Caçapava aos 0.35′ e aos 6′; Genau aos 11′, Carpegiani aos 12′, Flávio aos 42′, Valdomiro aos 47′, Ramon aos 50′, Cláudio aos 51′, Figueroa aos 55′, Valdomiro aos 68′, Ramon aos 69′, Escurinho aos 73′, Ramon aos 83′ e Valdomiro aos 89′.
Internacional (Porto Alegre, RS)
Manga; Cláudio, Figueroa (Hermínio), Marinho Peres e Vacaria; Caçapava, Genau e Carpegiani; Escurinho, Flávio (Ramon) e Valdomiro. Técnico: Rubens Minelli.
ferrocarril Orlando; Wilson, Alemão, Almerindo e Dirceu; Caçapava (Osvaldo), Ênio e Amarante; Nino, Alvim e João Pedro. Técnico: Edgar Fagundes.

O Placar:

Gols Tempo Como foi
1 0.35′ Logo aos 35 segundos (ainda tinha gente chegando ao estádio), Genau cobrou escanteio para a intermediária; a bola sobrou para Caçapava, que de fora da área chutou de fora chutou forte para abrir o placar.
2 6′ Caçapava, chutou cruzado de fora da área, Orlando se atrapalhou e acabou espalmando para dentro do gol.
3 11′ O Inter dominava completamente a partida, não deixando o adversário atravessar o meio campo, em meio a esta pressão, Carpegiani lançou Genau que entrou pela esquerda e chutou rasteiro por baixo de Orlando
4 12′ Foi dada a saída pelo Ferro Carril, o Internacional dominou a bola, a jogada sobrou para Valdomiro que correu livre com ela e passou para Capegiani que marcou o 4-0.
5 42′ Flávio aproveitou uma bola levantada na área e com peito empurrou para dentro do gol, na seqüência do lance, Orlando caiu por cima do tornozelo do atacante que lesionado saiu de campo dando lugar a Ramon.
6 47′ Falta em Marinho Peres, Valdomiro cobrou em curva por cima  da barreira aumentando o placar.
7 50′ O zagueiro Alemão foi enfeitar a jogada dentro da área e acabou perdendo a bola para Caçapava, este serviu a Ramon que fuzilou Orlando para o sétimo gol.
8 51′ Na saída de bola, Ramon roubou a bola, dominou, avançou e cruzou de pé esquerdo para Cláudio marcar.
9 55′ Figueroa apanhou um rebote do ataque, na intermediária, chutou com força, Orlando estava fora da goleira e Alemão ainda tentou salvar cabeceando, mas não adiantou.
10 68′ Vacaria cruzou na área e Valdomiro aparou de cabeça para fazer 10-0.
11 69′ Nova saída e novamente o bola foi roubada pelo Internacional, Valdomiro arrancou sozinho entrou na área enganou o goleiro Orlando e tocou para Ramon, livre como gol aberto marcar mais um.
12 73′ Vacaria cruzou da linha de fundo, Escurinho que havia tentando fazer o seu diversas vezes, desta vez não desperdiçou marcando 12-0.
13 83′ Escurinho cabeceou para baixo, a defesa falhou e Ramon aproveitou para marcar 13-0.
14 89′ Valdomiro recebeu a bola da meia-direita, entrou na área e chutou por baixo do corpo do goleiro encerrando a contagem.

Desempenho da Arbitragem (Avaliação do Jornal Zero Hora)
juiz_inter140_ferro

16298_02
Desempenho dos Jogadores (Avaliação do Jornal Zero Hora)
16298_05

figueroa_ferrocarril

Figueroa sobe com o adversário, o zagueiro colorado marcou um dos gols da goleada, e no final presenteou o goleiro Orlando com uma camiseta.

O atacante Escurinho também anotou um na goleada…

 O dia em que Orlando entrou para a história (Matéria do Jornal Zero Hora de 24/05/1976)
Orlando_FerroCarril

 Menos de um minuto de ter levado o último gol dos 14 gols marcados pelo ataque do Internacional na tarde de ontem, Orlando Moreria Alves, 25 anos, o gordo goleiro de 106 quilos do Ferro Carril, estava no centro do gramado tentando de todas as formas conseguir uma camisa de algum jogador do Inter. Aqueles 14 gols sofridos nos 90 minutos de jogo, que o consagraram definitivamente com uma das figuras históricas do futebol gaúcho, pareciam não ter tanta importância para Orlando.

Importava era conseguir uma camisa de recordação e ele ficou ali no centro do gramado pedindo primeiro para Cláudio, “-Não dá Orlandão, eu já tinha prometido”, depois para Carpegiani, “-Pô Orlando, desculpa, essa camisa vai para o clube fazer um sorteio”, para finalmente ouvir a promessa de Figueroa, “-Vai lá no vestiário que eu te dou uma”. Então Orlando ficou feliz, escancarou a boca, sem a metade dos dentes na parte superior, e começou a dar suas descontraídas explicações pelos 14 gols sofridos:

“- Tomei 14 gols e daí? O que vou fazer? Os caras aí da torcida tavam me gozando porque eu ficava tamando gol e rindo da cara dos jogadores do Internacional, mas o negócio é isso ai mesmo. Se a gente toma um gol e esquenta a cabeça, eles vem e metem outro, se a gente toma cinco e esquenta a cabeça eles vem e metem dez. Então, eu tava ali pra defender o meu e ninguém vai poder dizer que eu saí de campo desmoralizado, só porque tomei 14 gols.”

Orlando ainda estava no centro do gramado ensaiando as suas primeiras explicações e recebendo o abraço  de Manga. “-Não te apavora, levanta a cebeça e não desiste”, quando o representante da Federação veio comunicar que ele tinha sido sorteado para o exame antidoping. E quando ele se dirigia para o vestiário dos juízes, ouviu pela última vez as vaias da torcida, ficou um pouco sério, e disse: “- Olha aqui pra mim, tou com distensão, tou com o tornozelo trincado e tou jogando na coragem. Esses caras tão ali vaiando porque não sabem o problema da gente. “

No vestiário dos juízes, Orlando só queria se livrar logo do exame antidoping. Pediu licença ao médico e foi encher de urina o recipiente. De cara só conseguiu material para terça parte do vidro, o médico achou pouco e ouviu o desabafo do goleiro. “-Chê, não vai dar pra encher o vidro. Depois de ter levado 14 gols na cuca, é dose encher isso ai.”

Livre do exame, Orlando foi para o vestiário do Internacional cobrar a camisa prometida por Figueroa. Dentro, uma festa para o gordo goleiro, que foi direto para as banheiras térmicas, onde bebeu uma garrafa de água tônica oferecida pelo massagista Alexandre, ouviu a recomendação do lateral Claudão. “-Não te esquece de mandar alguém pra assembléia geral dos jogadores dia 31.”, e ainda brincou com Manga, lembrando que “-Eu já te ganhei uma vez de 1 a 0, te lembra? Foi lá em Livramento e deu uma baita pauleira.” Depois de algumas entrevistas, Orlando recebeu a camisa número três prometida por Figueroa, ainda deu alguns abraços  e disse feliz antes de sair do vestiário: “- É um negócio muito bom esse monte de gente aqui em volta. Eu sou admirado por muita gente porque sou assim mesmo, sou brincalhão, sou amigo de todo mundo.”

 Orlando_Entrevista

O Gordo Orlando Não Impediu o Massacre
Depois de 90 minutos, o goleiro Orlando do Ferro Carril garantiu um lugar na história do futebol gaúcho. Ele sofreu 14 gols do ataque colorado, na maior goleada já registrada em Campeonato Gaúchos, e o folclórico goleiro  de 106 quilos fez tudo para evitar que esta goleada aumentasse: deu socos, pontapés, brigou com os atacantes, numa tentativa inútil para evitar o massacre.

Orlando, colocando a bola em jogo, vaias e explicações ao final da partida.

Orlando, colocando a bola em jogo, vaias e explicações ao final da partida.

...apesar dos 106 quilos e dos 14 gols, não foram raras as boas defesas do goleiro, como neste lance

Apesar dos 106 quilos e dos 14 gols, não foram raras as boas defesas do goleiro, como neste lance

Dura Rotina: Durante o jogo, o goleiro foi 14 vezes ao fundo do gol buscar a bola

Dura Rotina: Durante o jogo, o goleiro foi 14 vezes ao fundo do gol buscar a bola

Flávio sentiu toda a força de Orlando, que evitou o gol chutando o rosto do atacante

Flávio sentiu toda a força de Orlando, que evitou o gol chutando o rosto do atacante

16298_10

No final do jogo, Orlando recebeu o consolo do colorado Manga

No final do jogo, Orlando recebeu o consolo do colorado Manga

16298_13

16298_14

 

16298_12

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: